terça-feira, 25 de julho de 2017



apertar o fio fundo da barriga e depois enriquecer os porcos de enaltecimentos, enriquecer aos poucos, rir até esquecer, rir de soslaio até a barriga doer naquele fio fundo que não é proform. soltar a mão pelo espaço até espairecer, soltar até esquecer que não há profundos. sair pela porta dos fundos e ser, nascer, viver, modorrer em vales e absintos de suores forjados roubados aos porcos, àqueles a quem é preciso enaltecer porque enanos não tecem sozinhos esta manhã. e suar, e suar, e suar e sorver um pouco menos de avisos e de purgatórios. e erguer novos crematórios para as pérolas aos poucos, aos poucos cantar até virar em arroubos a manhã.



segunda-feira, 24 de julho de 2017




eu não sei escrever a máquina
a máquina com a qual escrevo
é meu próprio corpo

escrever é ser sua própria máquina
todo o ser é sua própria máquina

eu não sei maquinar
o sistema judiciário de mim mesma
onde não há provas, nem calendário

eu só sei desescrever
meu próprio estado de mim mesma
eu mim mesma má
eu mim mesma máquina

eu mim mesma o eterno calendário
de meses se sucedendo
com dias abertos, dias fechados
dias azuis de pés burilados

e dias para balanço
para coleta de sangue e de provas
onde eu mesma me saúdo e me rasuro

como se fosse
uma sala toda branca




o sistema de arte
tem horror à sala branca

eu sou branca
não inteira
meus lábios não são brancos
meus pés
minha voz, meus tornozelos não são brancos
eu sou

a sala é branca
o sistema de arte tem horror ao que não é

também tenho horror do sistema judiciário do
sistema de arte de mim mesma


mas pensando bem
toda sala é branca

toda sala é
e eu sou meu próprio espaço aberto
com redes lançadas ao mar
e alamedas
todo espaço poderia ser sem medo
mas as salas
brancas
também se fecham sobre si mesmas




uma sala é um espaço com limites
todo suporte é um limite

há quem suporte o seu próprio corpo,
sua própria sala
sua própria rede e sede de peixe


não faço sala nem para mim mesma

sou também minha própria sombra
meu próprio insuportável
meu próprio céu
minha própria não-sala

- que às vezes é
quando não quer -
e também tem seus limites, medos, meandros

eu sou
minhas próprias paredes
sou
minha própria pele branca
meu próprio refletor
meu próprio calendário
minha própria dor

o sistema de arte não tem horror à pele branca
mas teme a pele
e tudo o que cheira e goza
e tudo o que sabe a sua própria sala




não sou um espaço confortável
sei a sangue e sede
nos cinco hemisférios