domingo, 25 de setembro de 2016



sem título, 2016, serigrafia, monotipia e pastel, 21x29





o corpo se inscreve no corpo como dança ou doença, como demais de amor inacabado pelas frestas do dia em que tipos e cismas azuis, vermelhas, negras, amarelas, teimam em ocupar o espaço da página, como sulcos de instantes onde o caminho de casa se enriquece de tomadas da mesma face sob a infinita luz da madrugada.



sábado, 17 de setembro de 2016

segunda-feira, 12 de setembro de 2016


o Sr. Ternura está batendo







Ortned é um rei sem reino. Ele vive às espreitas, um rei nu e sem vídeos na internet. Um quase desconhecido pelos seus súditos. E desconfiado. A cada margem de erro, a cada marca no papel, a cada gesto despercebido, Ortned vibra do outro lado do mundo, Ortned se infla sem que ninguém proteste. Suas leis, por isso, sempre se cumprem. Ortned gosta de calar os instantes, os bobos pensam que são muito e falam, falam, falam. Ortned guarda todas as informações. Depois vende para outros reis desconhecidos, e os sujeitos passam a ter dor de dentes. Há estragos em máquinas de lavar e pequenos tombos. Ortned também é a salvação das situações mais aflitivas, quando há lapsos entre aquilo que as pessoas sentem e o que se pode pensar. Orned mora naquilo que é informulável. Por isso, para reinar não precisa de formulários, carimbos e requerimentos. Basta um momento para vê-lo, majestoso, quase sem seguinte. 




sábado, 10 de setembro de 2016





sem título, 2012, gravura







E o quê e o ukiyo-e, às sete horas da noite. O que o ukiyo-e às sete horas da noite? É tarde, é noite, é hora de gravar todos agravos nesta gravura de horas. Neste dorso do tempo, tigre deitado, rosnando, tigre quase um gatinho de cócoras sobre o muro. Mas a noite sabe. O que sabe o ukiyo-e sobre a sobra que sobra nesta sombra de muro? A casa é espanto. A casa é murada de ruídos. A casa é morada de espíritos que sobem e descem escadas, o som dos seus chinelos, seus gritos, seus uivos, sua televisão. A casa não quer cuidado nenhum, quer as sobras, quer tudo o que sobra de nós. Ukiyo-e é a sombra transitória, nós passamos, não resta nem sombra. Estamos ligados nas tomadas. Somos as sobras de nadas nadando entre madeiras, pincéis, entre os dedos do gravador. Também ferimos, como goiva e buril. Também cortamos o assunto. Também unimos nosso silêncio aos sons de séculos passando sem vizinhos na casa vazia. Vocês não veem que somos esqueletos? Sobramos apesar de tudo. E apesar das goivas e formões formamos um uníssono que só se escuta quando quando, quando longe, quando então, usando algures e algas, quando no céu se dizem amém, amém, amamos. Nós nunca nos dizemos sem tinta preta. Nós não acreditamos em Deus, só colonizamos. No entanto nos guardamos para o paraíso e enquanto não temos mais o que fazer, fazemos. Fazemos amor com as cortesãs de Yoshiwara. Fazemos glicínias, rosas, púrpuras, toaletes maquiadas, fazemos matriarcas caírem a zero. Porque nós somos o insulto. Misturamos os insumos e o que o ácido não queima também não verga a madeira. Não subimos para fazer visitas, não tomamos chás, não queremos bolo em pratinhos oferecidos durante a tarde. Para nós é sempre tarde e sempre tarde para saber. Sombreamos o traço mesmo quando nos chamamos, e quando nos provocam, então, aí somos Marte e Vênus. Temos céus na boca, registros, coleções de latas, e somos sem perdão. Porque passamos assim, como as cédulas de mão em mão, ganhando bactérias, perdendo tempo, perdendo o que para vocês é tudo e para nós só suma luxúria. Gastamos com nozes, rolos, caldas, caramelos, chocolates e tesouras. Não fazemos maiores alardes, mas é assim, na impermanência das poltronas que nós mesmos nos prensamos.




poema publicado no jornal Qorpus / UFSC 

sábado, 27 de agosto de 2016




direção e edição de Danielle Sibonis
poema do livro Rumor da casa (7Letras, 2008)
filmado no Castelinho do Alto da Bronze (Porto Alegre) em 2010







você soa como brisa, vulcão ou ventania?

descubra rapidamente respondendo ao quiz elaborado por mim: clique aqui





                                                               


                                                                  desvelo um vulcão vazio
                                                                  amarelo
                                                                  breve como o tempo de voltar
                                                                  para ver a página limpa

                                                                  - e um vulcão se espalhou com o movimento
                                                                  da mão sobre o nada que é sempre
                                                                  mais que branco.

                                                                  um vulcão preenchido
                                                                  pelo vento espesso que preenche
                                                                  o nada da mão.
                                                               
                                                                  velo o tempo todo, como quem não
                                                                  existe, pois o que há é só
                                                                  um vulcão vazio, o quase que
                                                               
                                                                  espesso
                                                                  se abisma
                                                                  nos vincos da ventania




quinta-feira, 25 de agosto de 2016






xilogravura e serigrafia, 2016








                                                tudo parado na tarde solar.
                                                céu prenúncio.
                                                braços de árvore balançam,


                                                a nuca do pássaro fugitivo
                                                se esconde entre manchas.


                                                céu nenhum.


                                                o avião parasita os espaços de quase.
                                                é de guerra. é de sopro. é avulso.
                                                o avião agulha.


                                                uma queixa muda a do menino
                                                quando olha através.


                                                vira a página do livro.
                                                não querer voar nesse céu
                                                é dom.




quarta-feira, 24 de agosto de 2016





serigrafia sobre capa de livro





                                                      Avenida Bento Gonçalves, 9500.

                                                      Caso palavra com palavra
                                                      e não consigo escrever.
                                                      Vou à praia e
                                                      o mar é só o mar, areia.
                                                      Sinto um tédio de as coisas serem coisas
                                                          e não durmo
                                              rasgo palavras
                                                      Sinto imenso na manhã com café preto
                                                      Caso palavra com palavra
                                                      arranco cabelos
                                                     Meu doido sumir se atravessa
                                                     digo e rasgo
                                                     digo e rasgo
                                                     digo e rasgo

                                                     muitos filhos







sem título, 2016
acrílica e serigrafia sobre papel fabriano




terça-feira, 2 de agosto de 2016





da linha do tempo de agora, de dois de agosto de 2016 às 15h. 
apropriação e manipulação de imagens. 






Por que escondem isso de você?
O extrato desta semente destrói células cancerosas em 24h.
Só 21 minutos por dia.
Já pensou em plantar alho em casa?
Você acha que sabe cozinhar macarrão? Saiba aqui toda a verdade.
Seguro residencial. Contrate 100% online e saia com a apólice na mão.
Segundo as normas europeias, se seu voo foi cancelado ou atrasado por mais de 3h,
poderá receber uma indenização de até 600€.
A melhor forma de reclamar é fazendo.
Realize seu projeto através do financiamento coletivo.
Não compre alho nunca mais, plante facilmente em sua casa.
21 minutos por dia e sequei minha barriga.
Parábola sobre como as circunstâncias mudam as pessoas.
Agosto 2016
Julho 2016
Junho 2016
Maio 2016
Abril 2016
Março 2016
Afinal, todo vegetal plantado em casa é muito mais fresco e, por consequência, muito mais saudável e saboroso.
Viabilize projetos de cultura e cidadania coletivamente. Crowdfunding com consultoria e comissão livre. Comece aqui!
Qual é o seu tipo de metabolismo? Descubra em apenas 30 segundos.
Tudo que você tem a fazer é pegar um dente de alho do lado da raiz, onde ele germina, e plantá-lo com esta parte voltada para baixo, em direção às “profundezas” da terra.
Veja como uma mãe solteira com 3 filhos conseguiu ganhar R$ 5.297 vendendo bolos no pote.
A maneira mais poderosa de realizar um projeto de impacto é juntando pessoas que apoiam a causa.
Leave a reply. Seu email não será publicado.
10 truques para reviver suas coisas velhas.
Fevereiro 2016
Janeiro 2016
Você também vai gostar:
RSS dos comentários.
Be the first to comment.

Saiba se tem direito a uma indenização. Nós ajudamos a reclamar, gratuitamente! 



terça-feira, 12 de julho de 2016

segunda-feira, 11 de julho de 2016





Formação de onças habita o quarto.
Digo rápido me esqueci um detalhe de rotina.
Não há tempos entre nós dois.
Somos um pouco de nada, assim jogado na areia
esperando que os dias mornem.
Mornar: parar o tempo em uma formiga.
Ser memorando. Aquilo que se diz depressa. Pura informação.
Tampar: tentar com pouco tino dizer o memorável.
Tempar: tampar com água morna todos os cadáveres.





sexta-feira, 1 de julho de 2016






sem título, 2016, colagem e monotipia










Hoje tive alguns pendores
com aquela Ana Cristina.
Ana Cristina era persona.
Eu, personne.
Ela, cansada de ser homem
tirou luvas de pelica, delicadas
e foi chorar no banheiro.
Isso eu faria, não fosse porca.

Em Lajeado, uma porca matou homem.
Ela dava a luz quando acudiu o agricultor.
No culto da criação, ele era demais.
Ela devorou muito da sua carne.
Sobre o porquinho, ninguém falou.

Talvez por isso eu seja pouca
devorando cartas, maus poemas
e cassetes bossa-nova.

Quando me amansarem,
serei Pessoa nenhuma.



*poema do livro Rumor da casa (7Letras,2008)



domingo, 26 de junho de 2016




TS, sem título, 2013, 10cm x 15cm, foto interferida








Para silêncio de cordas e nãos é preciso ter o cuidado de não se mover. Se mexer esse braço, já estronda o órgão suspenso desse quase céu. O tempo. Aqui é azul e por isso são abismos os espaços do som. Para a dor de encontrar, não há remédio. O não é proferido sob o sol a pino e então que tudo abunda. São tambores, fagotes, zabumbas, trombones e trompas de falópio. São os sossegos que não regeneram. Para cima e para baixo, há vida. Mas o sol se move. E a vida esquecida entre sons já então se cronometra. Um leve mexer de mechas é o suficiente para sonatas inteiras, intragáveis, a encher o espaço aberto. O corpo. Tão perto do calendário, o peito, que só um cristão aguentaria. Ainda há jogos de paciências, há dedos, e ciências na geladeira. Para ficar um pouco em paz, come-se o não com vinho. Idealizam-se iguarias. Para a dor de encontrar, entretanto, não há remédio. Por isso se samba até sem perna, sem braço, sem cílios que se abrem em abraços, sem tédio, para a sina do silêncio de cordas e nãos. 


poema publicado no jornal Qorpus, Pós-Graduação em Estudos da Tradução da UFSC, nº20.



domingo, 19 de junho de 2016

domingo, 12 de junho de 2016





LT GTS
m s gts.
m s gts.

m s gts.
m s gts.
s vzs dtst gnt.
Rrmnt, ms cntc.

m s gts.

s flns, smpr.
s trs, cntc.















(                                                                                              ),                                                                                (                                                             ,                  ,                  ,                             ,                ).
                                                                                                                                                                                                 .              ,                                                                  ,                                                                                                                                   ,                                         ,
                                                                                                 .
                                                      ...
                                                                                                  .                           ,                            .                             ,                                           , acena.
                     ,                                                          .
                                                                , desce, olha                      .                                                                    .                             .
                                        :
-                ?                                   .

                                                                      .




segunda-feira, 6 de junho de 2016



Não necessito, não quero, não posso mais tirar palavras da minha mão para contaminar o mundo. Ao redor, há xícaras, lápis, bicicletas, quadros nunca concluídos, livros abertos e cochichos. Alguns sussurros ainda empilhados por debaixo da cola branca. Há poeira, duas toalhas e um pouco de café. O trânsito fica longe, e ainda assim há redes: de dormir, de sonhar e de falar, perigosas. 
As coisas mudas me agradam, como a presença nesse quarto de um cobertor. Estar ao alcance da mão é fazer parte de um mundo com tabelas de verdade, quando ainda não havia suficientes sistemas de segurança. Clareza é livre como acordar de manhãzinha e ver o mundo fluindo em direção a mais um sábado. É medieval e não pede desculpas.
Agora é impossível voltar atrás. Até as folhas das árvores visitadas pelos passarinhos parecem sofrer no excesso do que ouço desde a tela que sofreu os apuros da falácia. Doença irreversível de precisar preencher instantes. Palavras falam, nunca se aquietam, alongam-se sobre tapetes, bebem rum, acordam os vizinhos de madrugada quando não cabem em camas, ou em câmeras de 140 caracteres. Cobertor se molda aos calores de um corpo inexistente. 
Saber que há portas, imunidade de tropas, um xamã enterrado, esquemas institucionais e críticas ao pós-estruturalismo é tão frio como engolir limão. A hora errada se assusta fácil. E a mão toca barbas distraidamente. Barbas encantadas, azuis, caminhantes como as falas que contaminam o mundo. Aquelas que nunca se pintaram nas cores da baba antropofágica, e por isso pousam sobre o espaço sem a dignidade de xícaras, lápis, bicicletas, livros abertos e cochilos.
























Série "Na linha do tempo", 2016. Apropriação e manipulação de imagens compartilhadas no facebook.

segunda-feira, 30 de maio de 2016





As lágrimas vermelhas molharam o chão do Mercado Público.
As lágrimas eram vermelhas e ofuscavam meus próprios olhos, de onde elas vertiam, desconsoladas, para diversão dos aflitos.
Por onde eu passava, sofria a multidão. O povo, se não me saudava de canto de olho, pelo menos me dava um passo atrás.
Eram lágrimas de tinta, eram furta-cor, eram lágrimas amarelas que saíam de minhas lágrimas vermelhas e jorravam até o mar.
Eu fiquei parada no segundo andar do Mercado Público, vertendo-as sobre o vestido.
De branco ficou vermelho, e disto foi se mudando em tantas múltiplas cores que todos os pássaros revoaram desde mim.
E assim, cega vendo o céu, sem no mínimo querer, dei alegria aos que me viram, porque finalmente eu era uma pintura. A esta altura.
Eles cantaram, eu não cantei. Nós suportamos um pouco melhor a vida & suas dores destruídas. Ficamos bobos, ao lado, no lodo das cores, na curva lilás.
Eu sei que houve um momento, antes.
Era branco.

Por onde andava, ficava rastro de coisas que eu não via. 




*poema de Depois da água, 2014, revisto/restaurado.

terça-feira, 17 de maio de 2016




"A rota da fome", 2016, uma página dos meus cadernos de desenho iniciados em Portugal